Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Jardim de Mil Histórias

Jardim de Mil Histórias

28
Jan16

Jardim de Mil Histórias e as Redes Sociais

Isa Pereira
(Imagem via Pinterest)


Confesso que já fui mais adepta das redes sociais. Neste momento mantenho algumas para partilhar as publicações do blog e outras apenas para gostos pessoais. Tenho aquelas que consigo e quero manter e actualizar, deixando todas as outras para trás. 




Uso mais para o blog e para me manter actualizada quanto a outros blogs, amigos e novidades. 







Esta é sem dúvida a rede social que mais utilizo. Sou capaz de estar muito tempo a descobrir novos livros e autores para adicionar à minha lista. É a minha preferida.





No início não lhe achava grande utilidade, contudo hoje em dia uso bastante para ideias e inspirações para o blog e para o meu dia-a-dia. Estou a gostar cada vez mais desta rede social.






Tenho conta, mas não publico muito. Falta de hábito. 





Tenho uma conta, mas apenas fiz um vídeo com as minhas estantes. Não tenciono para já dedicar-me aos vídeos pois não tenho paciência para os editar. 




             


SnapchatTwitter
Não uso nenhuma das duas. Todas as outras dão-me trabalho suficiente (por vezes demais) à frente do computador. Sei que estão muito na moda, mas não as pretendo usar, pois já acho que é demais para mim. Menos é mais.


Para quem diz que não tem muitas, já são demais, não?!

Boas leituras!



26
Jan16

Opinião | "Se Isto é um Homem", de Primo Levi

Isa Pereira


Nome: Se Isto é um Homem
Autor(a): Primo Levi
Editora: Teorema
Edição: 2010
N.º Páginas: 176 páginas



Sinopse:
Neste clássico da literatura contemporânea, Primo Levi dá um testemunho pungente de uma tragédia que afetou milhões de pessoas. Considerado o mais belo livro já escrito sobre a existência massacrada dos judeus deportados, É isto um homem? Não é, no entanto, um relato carregado de ódio e vingança. Desprovidos de saúde, os judeus nos campos de extermínio dificilmente poderiam ser identificados com os homens que eram antes da tragédia. Muito menos seus algozes sem rosto, senhores de escravos, mas sem vontade própria, num campo de morte onde ela, afinal, era o menor dos males. 



Opinião:
Há muito tempo que ouvia falar deste livro e da forma dura como abordava o holocausto. E quando decidi realizar o desafio literário "Leituras do Holocausto" decidi que esta era uma boa altura para ler este livro. 

Este foi dos livros mais duros que li para este projecto. A forma como o Primo Levi retrata a sua vivência no campo de concentração tem tanto de brilhante como de assustador e arrepiante. Gostei da forma como o autor transmitiu os seus sentimentos e pensamentos do que ia vivendo e sentindo. A realidade, nada fantasiada, pura e dura.

Todas aquelas descrições são aterradoras e causa-nos tristeza, por atrocidades como as que o autor descreve terem de facto acontecido. Questiona-nos o que era ser um ser humano naquela situação.

Está a ser um mês duro de assimilar, mas estou a gostar de conhecer melhor este protagonistas do holocausto.

Classificação:
5/5 - Adorei

Nota: Esta leitura está incluída no Desafio Literário "Leituras do Holocausto"

25
Jan16

Opinião | "O Cônsul Desobediente", de Sónia Louro

Isa Pereira


Nome: O Cônsul Desobediente
Autor(a): Sónia Louro
Editora: Saída de Emergência
Edição: 2009
N.º Páginas: 416 páginas




Sinopse:
A História de Aristides de Sousa Mendes. O homem que, para salvar 30.000 inocentes, desobedeceu a Salazar e foi perseguido. 
Há pessoas que passam no mundo como cometas brilhantes, e as suas existências nunca serão esquecidas. Aristides de Sousa Mendes foi uma dessas pessoas. Cônsul brilhante, marido feliz, pai orgulhoso, teve a sua vida destruída quando, para salvar 30.000 vidas, ousou desafiar as ordens de Salazar.
Cônsul em Bordéus durante a Segunda Guerra, é procurado por milhares de refugiados para quem um visto para Portugal é a única salvação. Sem ele, morrerão às mãos dos alemães. Infelizmente, Salazar, adivinhando as enchentes nos consulados portugueses, proibira a concessão de vistos a estrangeiros de nacionalidade indefinida e judeus. Sob os bombardeamentos alemães, espremido entre as ameaças de Salazar, as súplicas dos refugiados e sua consciência, Aristides sente-se enlouquecer. E então toma a grande decisão da sua vida: passar vistos a todos quantos os pedirem. Salvará 30.000 inocentes mas destruirá irremediavelmente a sua vida.



Opinião:
Quero, desde já, agradecer à minha amiga Tita do Prazer das Coisas por me ter emprestado este livro e a paciência por só agora o ter lido. Foi mais uma leitura para o projecto "Leituras do Holocausto".

Este é um livro que conta a história de vida de Aristides de Sousa Mendes, o cônsul português que ajudou a salvar milhares de judeus. 

Depois de ter visto filme "Aristides de Sousa Mendes - O Cônsul de Bordéus" fiquei mais interessada em ler este livro, para conhecer melhor quem foi Aristides e a sua história.

Gostei muita da escrita da autora - muito fluída - e forma como abordou esta história. Sempre muito bem documentada, com bastantes notas de rodapé. Seria de pensar que o excesso de notas de rodapé pudessem tornar a leitura deste livro aborrecida, mas não é essa a minha opinião. Elas são necessárias, não só para a história em si, como no contexto histórico geral.

Gostei muito como a autora construiu a sua personagem sem nunca descurar a sua verdadeira identidade. Os dilemas que Aristides enfrenta, a relação família-trabalho foram aspectos muito bem explorados neste livro.

Para quem quer ficar a conhecer melhor Aristides de Sousa Mendes é de facto uma boa leitura.


Classificação:
4/5 - Gostei Muito


Nota: Esta leitura está incluída no Desafio Literário "Leituras do Holocausto"


22
Jan16

Livros 2.0 # 2

Isa Pereira



O site que vos apresento hoje é o portal da Fundação Calouste Gulbenkian dedicado à promoção da leitura, A Casa da Leitura.



A Casa da Leitura foi criada em 2005 com o objectivo de promover a leitura junto de crianças, jovens, adultos, pais, educadores, professores e bibliotecários.

Um projecto que apresenta vários serviços:

  • SOL (Serviço de Orientação à Leitura) - onde são apresentadas recomendações de livros, divididas por diferentes faixas etárias;

  • ABZ da Leitura - um área dedicada aos mediadores da leitura que contém projectos, bibliografia, orientações, entre outros assuntos;
Entre muitos outras iniciativas!


Uma excelnete iniciativa de promoção da leitura, da Fundação Calouste Gulbnekian, não só dirigida a profissionais da leitura, mas a todos nós que encaramos a leitura como um factor essencial ao desenvolvimento humano.

Um site obrigatório a todos os amantes da leitura. Visitem.

Boas leituras
19
Jan16

Opinião | "Auschwitz - Um dia de cada vez", de Esther Mucznik

Isa Pereira


Nome: Auschwitz - Um dia de cada vez
Autor(a): Esther Mucznik
Editora: A Esfera dos Livros
Edição: 2015
N.º Páginas: 336 páginas




Sinopse:
«Um companheiro de Auschwitz pergunta a Primo Levi por que motivo já não se preocupa com a higiene. Ele responde simplesmente: "Para quê, se daqui a meia hora estarei de novo a trabalhar com sacos de carvão?" É desse companheiro que recebe a primeira e talvez principal lição de sobrevivência: "Lavarmo-nos é reagir, é não deixar que nos reduzam a animais; é lutar para viver, para poder contar, para testemunhar; é manter a última faculdade do ser humano: a faculdade de negar o nosso consentimento".» 
A capacidade de sobrevivência do ser humano é notável e, por mais terrível que fosse a existência em Auschwitz, todos os dias se lutava para sobreviver apesar de a morte estar ao virar de cada esquina. O campo de concentração de Auschwitz é sinónimo do mal absoluto preconizado pelo nazismo. Foi ali que judeus e ciganos serviram de cobaias às diabólicas experiências médicas, que acima de um milhão de seres humanos foram gaseados e que mais de 200 mil homens, mulheres e crianças morreram de fome, frio e doença, de exaustão e brutalidade, ou simplesmente de solidão e desesperança. No entanto muitos presos resistiam à total desumanização esforçando-se por manter alguma dignidade. Cuidar da higiene, ler, escrever, desenhar, ajudar alguém a sobreviver ou até a morrer eram actos que atribuíam condição humana a quem parecia ter desistido de viver. Esther Mucznik, autora dos livros Grácia Nasi e Portugueses no Holocausto, dá-nos a conhecer o dia-a-dia de Auschwitz através das vozes daqueles que ali acabaram por perecer e dos seus carrascos, do insuportável silêncio das crianças massacradas, das mulheres e homens violentados em bárbaras experiências médicas, mas também através dos relatos daqueles que sobreviveram para contar e manter viva a memória do horror da máquina de morte nazi. Para que ninguém possa alguma vez esquecer.





Opinião:
Um dia de cada vez. Era como se vivia (ou sobrevivia) em Auschwitz. A autora apresenta-nos testemunhos impressionantes de sobreviventes e familiares de pessoas que passaram por todo este horror. 

É um livro de não-ficção com incríveis factos históricos. Um livro muito bem documentando, onde muitas das vezes os textos são acompanhados por fotos que ajuda o leitor a "interiorizar" tudo o que está a ler. 

Este é um livro duro...muito duro de se ler. Mas necessário! Cheguei ao final desta leitura triste e assoberbada por tudo aquilo que acabava de ler. São relatos duros de ler, mas não os podemos esquecer, para que nunca se voltem e repetir atrocidades como estas.


Classificação:
4/5 - Gostei muito


Nota: Este livro foi-me disponibilizado pela editora A Esfera dos Livros em troca de uma opinião honesta.




Nota: Esta leitura está incluída no Desafio Literário "Leituras do Holocausto"



18
Jan16

Opinião - Livros Infantis & Juvenis | "O Caderno do Avô Heinrich", de Conceição Dinis Tomé

Isa Pereira


Nome: O Caderno do Avô Heinrich
Autor(a): Conceição Dinis Tomé
Editora: Editorial Presença
Colecção: Estrela do Mar
Edição/reimpressão: 2013
N.º Páginas: 88 páginas




Sinopse: 
Heinrich e Jósef conheceram-se na Polónia. Heinrich tinha chegado há pouco tempo da Alemanha, porque o pai não queria que o filho crescesse num país onde então dominavam o ódio, o preconceito, o abuso do poder e todas as formas de fanatismo. Naquele tempo, o homem que tinha subido ao poder resolveu dominar o mundo e perseguir todos aqueles que considerava serem de raças inferiores como os judeus ou os ciganos, e também todas as pessoas que lhe opusessem resistência. Esse homem chamava-se Adolf Hitler. Esta história, escrita com grande sensibilidade, conta-nos como Heinrich, e o seu amigo judeu, Jósef, apesar de tudo o que sofreram, conseguiram manter uma amizade que ficou para a vida. A autora mostra-nos ainda como o amor pelos livros e pela leitura, e a capacidade humana de criar beleza são importantes para promover a paz entre os povos.

Plano Nacional de Leitura
Livro recomendado para o 6º ano de escolaridade, destinado a leitura orientada.



Opinião:
Descobri a existência deste livro numa conferência em que participei sobre o Plano Nacional de Leitura, em que a autora esteve presente para partilhar a sua experiência alguns projectos em que estava a trabalhar. 

Fiquei logo interessada e sabia exactamente que o ia ler. Era um livro totalmente adequado a este projecto. 


Um livro pequeno, com uma grande mensagem. Uma amizade entre duas crianças que viveram e cresceram mundo de guerra, horrores e de desumanização. Heinriche e Jósef transmitem-nos diferentes perspectivas do holocausto e da guerra (também ela interior) em que viveram. 

Um livro muito bonito, simples mas muito real contado para crianças e jovens sobre o Holocausto.

Recomendo.



Classificação:
4/5 - Gostei muito


Nota: Esta leitura está incluída no Desafio Literário "Leituras do Holocausto"




15
Jan16

Desafio Pop-Up | Janeiro

Isa Pereira


Hoje nasce um novo espaço no blog: Desafio Pop-Up. Todos os meses vão surgir desafios novos e inesperados. Este desafio pretende ser muito interactivo e exclusivamente para os leitores.

Para Janeiro, uma vez que o blog está a realizar o "Leituras do Holocausto" será dedicado a esse tema.

Estão todos convidados a participar neste desafio e a partilhar as vossas leituras no final do mês, no Facebook do blog.

Desafiem-se e leiam!

Boas leituras.
14
Jan16

Jardim de Mil Histórias na Sic Mulher | Programa "Faz Sentido", com Ana Rita Clara

Isa Pereira



Recebi o convite para ir ao programa "Faz Sentido", da Sic Mulher, apresentado por Ana Rita Clara e não pude recusar. Fui apresentar o blog e o projecto literário "Leituras do Holocausto" e foi com muito orgulho que estive presente.




Obrigada à Sic Mulher pelo convite e pela simpatia.

Vejam o vídeo

Espero que gostem.

Boas leituras.

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Isaura's bookshelf: currently-reading

A Mulher Secreta
tagged: currently-reading

goodreads.com

Sigam-me

Links

  •  
  • Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Rubricas

    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    google1ed4a992f74de1ef.html