Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Jardim de Mil Histórias

Jardim de Mil Histórias

29
Jun17

Conversas de Mil Histórias | Nuno Nepomuceno

Isa Pereira


Após uma longa pausa hoje retomamos um segmento aqui no blogue: As Conversas de Mil Histórias. Um espaço de conversas sobre livros com diversos convidados. 

O convidado de hoje é o Nuno Nepomuceno, autor dos livros A Célula Adormecida e da Trilogia Freelancer, composta por O Espião Português, A Espia do Oriente (opinião em breve) e A Hora Solene (opinião em breve).

Espero que gostem e que leiam os livros do autor Nuno Nepumoceno, pois valem muito a pena. 



Jardim de Mil Histórias - O Nuno é formado em Matemática. Como surgiu estapaixão pela escrita e por contar histórias?

Nuno Nepomuceno - Iniciou-se com a leitura. Por influência daminha mãe, que sempre me incentivou a isso, acabei por crescer acompanhado porlivros. Os meus gostos foram evoluindo com a idade, claro. Recordo-me de lercoleções como Os Cinco, Os Hardy ou Uma Aventura, que me eram oferecidas pelo Natal ou que iarequisitar à biblioteca municipal. Gostava bastante de o fazer, de andar pelarua com os livros na mão enquanto ia e vinha.
Depois, quando passei a ser financeiramenteindependente, é que comecei a investir mais noutros géneros, como os thrillers. Houve um momento a partir doqual, que não sou capaz de precisar com exatidão, em que comecei a sentircuriosidade sobre como seria estar do outro lado, ou seja, ter o poder de criare manipular as personagens, entrando, assim, no imaginário do leitor. Hoje emdia é isso que me motiva mais — a possibilidade de suscitar emoções em que lê omeu trabalho.

Nuno Nepomuceno


J.M.H. - A trilogia “Freelancer” teve um grande impactonos leitores. Foi com a primeira parte, “O Espião Português”, que ganhou, em 2012,o Prémio Literário Note!. Estava à espera desse reconhecimento?

N. N. - Eu já publiquei quatro livros e quer o processo, comoos resultados que obtive, foram diferentes em todos eles. É difícil dizer se euesperava ganhar um prémio revelação ou se aquele livro que eu tinha escritodurante oito anos se tornaria num sucesso comercial. Quando concorri, quisacreditar que sim, e quando O EspiãoPortuguês foi colocado à venda, desejei-lhe o melhor. Mas nunca se sabemuito bem o que vai acontecer. O mercado livreiro não é tão previsível quantopossamos pensar e, por vezes, há surpresas, sejam elas boas ou más. Eulimito-me a ser otimista.



J. M. H. -  O seu mais recente livro “A Célula Adormecida” desperta-nospara uma hipótese de ataque terrorista em Lisboa. Hoje em dia é uma hipótesebem real. O que pretendeu com esta história?


N. N. - Tive dois objetivos, essencialmente. Oprimeiro foi provocar uma mudança na minha carreira. A trilogia Freelancer acabou por deixar uma marcaalgo inesperada, sobretudo, devido ao carisma do protagonista, e eu quisdistanciar-me de tal, ou seja, mostrar ao meu público que sou um escritor commais do que uma dimensão e, através disso, cativar outros leitores. Daí A Célula Adormecida ser um romance bemmais negro do que os anteriores que publiquei, assumindo-se claramente com um thriller psicológico e não tanto como umpolicial.
Por outro lado, desejava abordar um tema quejulgo ser importante e que, infelizmente, começa a fazer parte da nossa vidadiária. Os grupos terroristas têm muitas nuances, estando, por vezes,associados as outros fenómenos de forma mais ou menos direta. Foi assim tambémque surgiu a ideia de abordar temas fraturantes da nossa sociedade, que com olivro desejei colocar sob reflexão. Refiro-me aos movimentos migratórios, àinstabilidade no Médio Oriente, ao extremismo e radicalização da Europa, entreoutros. A mensagem final que tentei transmitir foi a de tolerância. Espero quetenha chegado aos leitores.


J. M. H. - Nota-se nos seus livros um grande rigor factual,histórico e social. Faz algum trabalho de investigação prévia?

N. N. - Sim, é algo que comecei a trabalhar logo com O Espião Português, mas que tem ganhopreponderância em todo o meu processo criativo com o passar dos anos. Procuroler sobre os temas que quero abordar, visitar os locais que escolho para a açãodos livros, entrevistar especialistas ou até mesmo viver parte daquilo que desejodescrever. Por exemplo, assisti a alguns serviços religiosos na MesquitaCentral de Lisboa durante o ano em que dediquei à redação de A Célula Adormecida. E isso acabou porser muito importante para mim, pois, enquanto estava lá sentado a observar em silêncioas pessoas que rezavam, as ideias iam surgindo naturalmente.


J. M. H. - Quaisas suas grandes referências enquanto escritor?

N. N. - Em termos técnicos, não tenho ninguém. A escrita nãoé estanque e há certas formas de o fazer que aprecio e outras que nem por isso.Procuro escrever aquilo com me sinto confortável, incluindo as opções criativosque tomo, não embarcando em modas ou fórmulas que se dizem ser extremamentevendáveis na atualidade. Fora isso, há autores cuja carreira vejo como umexemplo e cujos livros me dão bastante prazer. Posso citar os casos de KenFollet e Daniel Silva, se bem que existam outros. Já li excelentes obras forado registo policial.


J. M. H. - Em que é se inspira para escrever?
N. N. - É um processo misto. Tanto pode vir de umafotografia, como aconteceu com A Espia doOriente, ou através de uma canção, como foi o caso de A Hora Solene. Ou até um livro, no caso do conto « A Cidade», com oqual integrei a coletânea Desassossego daLiberdade. Mas tento manter um espírito aberto e ser recetivo a novoselementos. Por vezes, as melhores ideias surgem de forma inesperada. Derepente, estou a escrever e é como se os dedos tivessem vida própria. Há umafrase que surge sem ser planeada e que muda tudo.


J. M. H. - Ouvimos muitas vezes os autores afirmarem que oprocesso de escrita concentra-se em 90% de trabalho e 10% de talento. Concorda?
N. N. - Eu gosto de pensar que tenho algum talento. Se assimnão fosse, não iria escrever, pois foi a vontade de mostrar aos outros o queconsidero ser capaz de fazer que me levou a começar, independentemente do muitoou pouco sucesso que viesse a ter. Mas tudo requer imenso trabalho e quandocomeçamos um livro é bom que estejamos cientes de que não vai ser fácil. Se amemória não me falha, nunca escrevi um capítulo à primeira. Chego a revê-losquatro e cinco vezes e até a reescrevê-los constantemente ou mesmo deitá-losfora.


J. M. H. - Sente de alguma forma que a literaturaportuguesa não é tão valorizada face à literatura internacional?
N. N. - Existe algum desfavorecimento, sim, mas que pensoter-se atenuado nos últimos tempos. Há autores portugueses que vendem mais emalturas muito críticas, como o Natal, do que os escritores estrangeiros. Esperoque seja uma situação que tenda a continuar a evoluir de forma positiva nofuturo. Pelo menos, o passado recente dá-nos alguma esperança nesse sentido. Háalguns anos, a ficção portuguesa debatia-se para competir com a norte-americanaou brasileira e hoje em dia lidera audiências. O mesmo tem vindo a acontecercom a nossa música. Nós temos uma relação algo curiosa com o que fazemos.Julgamos sempre que é de qualidade inferior. O que nos chega de fora exerce umgrande fascínio sobre o consumidor. Resta a esperança que, à semelhança datransformação que tem vindo a ocorrer noutros setores da cultura, o mesmo sevenha a suceder com a literatura nacional.


J. M. H. - Enquanto leitor o que gosta mais de ler? E o quenão gosta de ler?
N. N. - Aprecio essencialmente thrillers e policiais, com algumas incursões felizes pela fantasiae romances históricos, mas ciente de que um bom livro deve ser lido e,portanto, com abertura para as surpresas que poderão surgir. E não tenho nenhumgénero, formato ou autor que me cause aversão. Ler faz parte da nossa vida.Precisamos de o fazer diariamente.


J. M. H. - Qual o livro da sua vida?
N. N. - Os Pilares daTerra, de Ken Follett, e Os TrêsMosqueteiros, de Alexandre Dumas. Adoro as épocas históricas em quedecorrem e admiro os autores pelo excelente trabalho que realizaram com oslivros. O Estranho Caso do Cão Morto,de Mark Haddon, também é uma obra que me marcou muito, sobretudo, pela formacriativa e sensível com que explorou o tema do autismo.


J. M. H. - Para quem não conhece a sua obra, e no sentidode convencer o nossos leitores a ler os seus livros, qual deles define melhor asua escrita?
N. N. - Esta é uma pergunta muito difícil. Todos eles sãoespeciais para mim à sua maneira. Os primeiros porque não foi fácilpublicá-los, além de terem exigido um esforço considerável para os escrever, jáque não possuía qualquer experiência; os últimos porquetraduzem melhor a pessoa que sou hoje em dia. Prefiro que sejam os meusleitores a decidir isso.


J. M. H. - Que projetos literários tem para o futuro?
N. N. - Neste momento, encontro-me a trabalhar emmais um thriller psicológico, que,apesar de ter alguns pontos de contacto com ACélula Adormecida, não será sobre terrorismo, embora envolva de novo umagrande dimensão cultural e religiosa, além de outros elementos que sãotransversais ao meu trabalho, como aventura, romance, espionagem e alguma ação.
Estou numa fase importante do livro, mas algoembrionária, ainda, razão pela qual não sei quando será publicado. Prefirolevar o meu tempo e regressar quando me sentir preparado, quando tiver acerteza de que este é o meu melhor livro até ao momento.


J. M. H. - Nuno, muito obrigada por esta entrevista.
N. N. - Eu é agradeço a oportunidade e convido todos os leitores acontinuarem a passear pelas mil histórias do seu jardim.

20
Jun17

Opinião | "O Espião Português", de Nuno Nepomuceno | Trilogia Freelancer # 1

Isa Pereira
Título: O Espião Português (Freelancer # 1)
Autor(a): Nuno Nepomuceno
Editora: TopBooks
N.º de Páginas: 376 páginas
Edição: 2015
Temática/Género: Literatura/Romance

Classificação: 5 estrelas




Sinopse:
E se toda a sua vida, tudo aquilo em que acredita, não passar de uma mentira? O que faria?

Estocolmo, Suécia.
Encerramento da Presidência da União Europeia.

Quando André Marques-Smith, o jovem director do Gabinete de Informação e Imprensa do Ministério dos Negócios Estrangeiros português é enviado à capital sueca, está longe de imaginar que aquele será um ponto de viragem na sua vida.

Ao serviço da Cadmo, a agência de espionagem semigovernamental para a qual secretamente trabalha, recupera a primeira parte de um grupo de documentos pertencentes a um investigador russo já falecido. Mas quando regressa a Portugal, tudo muda. Uma nova força obteve a segunda parte do projecto e, de uma forma violenta e aterrorizadora, resolveu mostrar ao mundo que está na corrida pelos estudos do cientista.

Por entre os cenários reais de cidades como Estocolmo, Roma, Viena, Londres e Lisboa, a luta pelo inovador projecto começa, os disfarces sucedem-se, as missões multiplicam-se. E, enquanto é forçado a lidar com os condicionalismos de uma vida dupla, André vê-se inesperadamente envolvido num mundo de mentiras e traições; o mesmo que o levará a fazer uma descoberta que poderá mudar toda a Humanidade.

Vencedor do Prémio Literário Note! 2012, O Espião Português funde elementos tradicionais da ficção de espionagem com uma abordagem inovadora, intimista e sofisticada. Thriller intenso e vertiginoso, ode à família, amizade e amor, este é um romance imprevisível e contemporâneo ao qual não deixará de ficar indiferente.



Opinião:
Uma das muitas coisas boas que esta comunidade me trouxe foi ter a oportunidade de conhecer novos autores internacionais, mas também nacionais. Fico muito feliz por saber que a literatura portuguesa está no bom caminho e recomenda-se.

O Nuno é um bom exemplo disso. Depois de ter lido A Célula Adormecida fiquei cheia de curiosidade de ler esta trilogia. E o Nuno teve a gentileza de me enviar exemplares para poder conhecer esta história e dar opinião no blogue.

Li-o de uma forma quase compulsiva. Este é o tipo de história e de escrita que gosto. Uma leitura agradável, com ritmo e, sobretudo, muito bem escrita. Nota-se o cuidado do autor na forma como dá rumo à história e na construção das personagens. 

Um livro que nos permite viajar por alguns locais da Europa que eu tanto gosto. Uma leitura perfeita para dias mais agitados e para o verão. Escusado será dizer que estou ansiosa para voltar a esta história com o próximo volume A Espia do Oriente


Recomendo a todos. Não só aos que gostam de bons thrillers

Nota:
Este livro foi-me enviado pelo autor em troca de uma opinião sincera. 
19
Jun17

Opinião | "Aqueles que merecem morrer", de Peter Swanson

Isa Pereira

Título: Aqueles que merecem morrer
Autor(a): Peter Swanson
Editora: Editorial Presença
Colecção: Minutos Contados
N.º de Páginas: 280 páginas
Edição: 2017

Classificação: 5 estrelas



Sinopse:
Ted Severson e Lilly Kintner conhecem-se num aeroporto de Londres. Conversam e bebem demasiados martinis enquanto aguardam pelo embarque num voo para Boston. Embalados pela bebida, os dois iniciam um estranho e arriscado jogo em que revelam pormenores da sua vida privada. Ted conta que a mulher, Miranda, o trai, chegando a dizer que tem vontade de a matar. Para sua surpresa, a enigmática Lilly mostra-se disposta a ajudá-lo. Se todos nós morremos, que diferença fará punir pelas próprias mãos quem merece ser punido? Mas Lilly não revela a Ted o seu passado tortuoso e sinistro. Assim começa uma perigosa e fatal corrida contra o tempo. 

O autor escreve magistralmente, deixando o leitor em estado de permanente tensão, choque e expectativa, mantendo-o dentro do seu jogo psicológico. Um livro impregnado de ação, suspense e adrenalina, reviravoltas e imprevisibilidade. Aqueles que Merecem Morrer figurou durante meses em todas as listas de bestsellers do Reino Unido.



Opinião:
Adoro thrillers. Um género que aprendi a gostar e nunca mais larguei, embora não leia tanto quanto gostasse.

Esta opinião vai ser das mais difíceis de escrever. Porquê? Porque não vou, nem posso revelar muitos pormenores sobre o livro. A riqueza deste livro está em descobri-lo do início ao fim. Desde o início da história que o autor nos vais surpreendendo. É uma leitura compulsiva.

As personagens estão muito bem construídas, com uma riqueza psicológica fascinante. A escrita é envolvente e com o ritmo suficiente para acompanharmos a história. Cada capítulo é dedicado e narrado do ponto de vista de cada personagem. Uma estrutura que muito me agradou, pois ficamos a conhecer os pensamentos e sentimentos de cada personagem.

Um livro com muitas reviravoltas, surpresas que nos deixam boquiabertos. Um livro que recomendo a todos os amantes do género e não só. 




Nota:
Este livro foi-me disponibilizado pela Editoral Presença em troca de uma opinião honesta.

Para mais informações sobre o livro ver aqui.



15
Jun17

Desafio literário "Um ano com a Jodi" | Julho 2017

Isa Pereira


O primeiro livro já está lido e quero agradecer a todos participantes deste desafio. Foi novamente uma discussão que só enriqueceu a leitura.

Já está escolhido o próximo livro do desafio "Um ano com a Jodi". Será o livro Para a Minha Irmã



A leitura deste livro ter início no dia 1 de Julho e temos todo o gosto em que se juntem a nós para esta discussão.

Digam-me nos comentários caso queiram participar.

Boas leituras.
12
Jun17

Desafio Literário | Book Bingo "Leituras ao Sol"

Isa Pereira


O verão é época de leituras para muitas pessoas. A pensar nisso organizámos um Book Bingo de Verão, o "Leituras ao Sol". Como sabem, sou moderadora do grupo do Goodreads juntamente com a Tita e a Sara. Recentemente mudámos o nome do grupo para "Leituras Partilhadas".  



Este desafio de verão pretende ser divertido, descontraído, apropriado para esta altura do ano.
O objectivo é completar leituras de uma linha ou coluna, na horizontal,  vertical ou diagonal. Os mais ousados podem completar o cartão do Bingo. 

O "Leituras ao Sol" irá decorrer de 21 de Junho a 22 de Setembro de 2017.

As categorias são:

- Livro com uma capa que te lembre o Verão;

- Livro emprestado (da biblioteca, de um familiar ou amigo...etc);
- Livro recomendado por alguém;
- Livro do teu género preferido;
- Livro que se passe num continente diferente do teu;
- Livro de um vencedor de um prémio literário (Pode ser prémio nacional ou internacional. Não ser apenas finalista. Tem que ser vencedor. E contam tanto os livros como os autores);
- Clássico português (nesta estão incluídos autores/as considerados clássicos, como Eça de Queiroz, Antero de Quental, Júlio Dinis, entre outros);
- Livro adaptado a cinema ou tv;
- Livro esquecido na estante (nesta categoria apenas contam livros que já tinhas anteriormente);
- Livro juvenil ou young adult;
- Livro de um autor de estreia para ti (um autor/a que nunca leste e queres muito ler);
- Livro de um autor lusófono;
- Livro do género chick -lit (para quem não sabe, um romance muito fofinho);
- Livro que se passe num local onde gostarias de passar férias;
- Uma BD, Mangá ou Graphic Novel;
- Um livro do/a teu/tua autor/a preferido/a;


REGRAS:
- Apenas conta um livro por cada categoria;
- Os contos individuais não são contabilizados;
- Podem ser contabilizados ebooks e audiobooks;
- Desafio decorre de 21 de Junho até às 23h59 do dia 22 de Setembro;
- Objectivo: fazer uma linha ou coluna na diagonal.



Estão todos convidados a participarem neste desafio e a partilhar as vossas leituras de Verão. Quer seja uma época de muitas ou poucas leituras.

Para participarem visitem o nosso grupo do Goodreads "Leituras Partilhadas". Caso queiram partilhar as vossas leituras nas redes sociais utilizem a #bookbingoleiturasaosol

Quem alinha?

Boas leituras.
07
Jun17

Opinião | "Pura Coincidência", de Renée Knight

Isa Pereira

Título: Pura Coincidência
Autor(a): Renée Knight
Editora: Suma de Letras
N.º de Páginas: 297 páginas
Edição: 2015
Temática/Género: Literatura/Romance

Classificação: 3 estrelas



Sinopse:
E se de repente se apercebesse de que é o protagonista do aterrador romance que está a ler?

Catherine tem uma boa vida: goza de grande sucesso na profissão, é casada e tem um filho. Certa noite, encontra na sua mesa-de-cabeceira um livro com o título O Perfeito Desconhecido. Não sabe como terá ido parar ao seu quarto ou quem o terá ali posto,
Ainda assim, começa a lê-lo e rapidamente fica agarrada à história de suspense.
Até que, após ler várias páginas, chega a uma conclusão aterradora.
O Perfeito Desconhecido recria vividamente, sem esquecer o mais ínfimo detalhe, o fatídico dia em que Catherine ficou prisioneira de um segredo terrível. Um segredo que só mais uma pessoa conhecia, E essa pessoa está morta.


Opinião:
Parti para esta leitura sem qualquer expectativa. Não tinha opiniões muito positivas sobre a mesma. Fui de mente aberta, disposta a ser surpreendida.

Esta foi uma história que não me fascinou. Metade da história era confusa e algo aborrecida. Não consegui ter muito interesse. Contudo, a partir daí tornou-se numa leitura mais fluída e um pouco mais interessante. 

A escrita da autora também não me deslumbrou totalmente. Uma escrita sarcástica e irónica. No entanto, fui surpreendida no final. 

Um thriller que não me prendeu, ao contrário do que prometia. Contudo, não foi uma má leitura, mas gostaria de mais e melhor.
06
Jun17

Balanço de Leituras | Maio 2017

Isa Pereira

Ao contrário do que aconteceu no mês passado, Maio, foi um mês com poucas leituras. Há meses assim, em que lemos pouco (pelas mais diversas razões). Estou de mente e coração aberto para receber as leituras que puder.

E vocês o que andaram a ler em Maio?


Leituras

Viajante à Luz da Lua, de Antal Szerb
O Livro com Sono, de Cédric Ramadier, Vincent Bourgeau
As Três Vidas, de João Tordo
Pura Coincidência, de Renée Knight


Boas leituras!


02
Jun17

Divulgação | Revista Inominável # 8

Isa Pereira


É com muita alegria e orgulho que partilho hoje esta novidade. A partir de agora vou colaborar com a Revista Inominável, com a rubrica "Ler o Mundo". Este é um projecto existente há um ano em formato digital e gratuito. 

Nesta rubrica irei partilhar histórias e artigos relacionados com o mundo, não só literário., mas também sobre a promoção a leitura. Curiosos/as? Então vejam aqui a edição deste mês. O primeiro artigo é sobre "Hotéis Literários".

Espero que gostem e acompanhem este projecto digital no blogue e Facebook.

Para acederem à revista cliquem aqui

Mais sobre mim

foto do autor

Isaura's bookshelf: currently-reading

A Mulher Secreta
tagged: currently-reading

goodreads.com

Sigam-me

Links

  •  
  • Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Rubricas

    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    google1ed4a992f74de1ef.html